BRIO constrói caminho para repórter vender uma pauta

Vender uma pauta pode até parecer um ideia fácil de ser executada. As dificuldades começam a surgir quando a gente fica na dúvida sobre o que e e como oferecer, como abordar editores e chefes de reportagem. Afinal, a proposta deve ser curta ou longa? O repórter precisa destrinchar a pauta, colocar detalhes, ou vale somente um argumento no primeiro contato?

Esses são problemas que os membros do BRIO conseguem resolver por dois caminhos. O primeiro passa pelo curso The Independent, que dá todas as orientações para um jornalista pensar, construir e vender sua pauta.

O segundo passa por um processo de acompanhamento. Quem contrata a mentoria Básica ou Premium recebe no pacote o apoio necessário para emplacar sua história. O serviço de auxílio com pauta é exclusivo para quem participa desses programas e já ajudou jornalistas a publicarem em diversos veículos do Brasil, como piauí, The Intercept, BBC, Estadão, entre outros.

É o caso da Valéria Sotão, jornalista do Maranhão que recentemente publicou uma história no Projeto #Colabora. Valéria faz parte da base do BRIO como mentorada da Claudia Antunes.

Ela tinha uma ideia de discutir a construção de um porto privado na praia de Parnauaçu, na região do Cajueiro, em São Luís. Empresas brasileiras e chinesas, com participação do governo do Maranhão, estão de olho na área, e os moradores têm que enfrentar assédio e briga jurídica.

Era uma história com dramas pessoais e resistência, de pessoas que se veem obrigadas a abandonar os locais onde moram há anos, como pequenos produtores rurais. A jornalista apresentou a ideia para o BRIO e nós demos a orientação necessária para ela transformar aquele argumento em uma pauta vendável.

Depois, fomos atrás de veículos que poderiam se interessar pelo assunto. E chegamos ao Projeto #Colabora, que comprou a ideia e publicou a reportagem.

Assim como ela, outras jornalistas já publicaram depois do apoio do BRIO. É importante lembrar que o BRIO não cobra nada por esse serviço, nem do repórter nem do veículo.

Valéria Sotão conta como foi o processo de vender uma pauta.

Soube do Brio por um post patrocinado no Instagram, no qual ofereciam um Anuário de Jornalismo de graça, com atualizações sobre o mundo jornalístico. No e-mail em que recebi o Anuário, fiquei sabendo dos cursos de mentoria e, curiosa que sou, imediatamente cliquei no site e achei a proposta fantástica.

Formada desde 2012, fiquei três anos sem trabalhar no jornalismo propriamente dito devido ao mercado limitado da minha cidade, São Luís (MA). Trabalhei com fotografia durante esse tempo e em alguns frilas de audiovisual.

Como além de jornalista sou artista, trabalhar fazendo vídeos, cinema e fotos era e é bom pra mim, mas não razoável financeiramente. Eu queria atuar também na área em que me formei. Não sabia como voltar para o mercado.

O BRIO me abriu essa porta e agora sei como fazer pautas interessantes e o caminho para vendê-las. Claro, com a ajuda e intermediação do BRIO fica bem mais fácil. Enviei para eles uma pauta sobre um assunto polêmico bem conhecido na minha cidade, mas que envolve também empresas de São Paulo e China.

O Júlio [Lubianco] e o Ricardo [Ballarine], do BRIO, gostaram. Minha mentora, Claudia Antunes (de “O Globo”), também me deu dicas e, assim, o site Projeto #Colabora, que ganhou uma categoria do Prêmio Petrobras de Jornalismo no ano passado, publicou minha reportagem, que foi bem recebida e foi a lida mais do site por alguns dias.

Pretendo renovar minha parceria com o BRIO, agora no BRIO Sprint, e montar meu próprio negócio no jornalismo, além de continuar vendendo boas pautas.

* Valéria Sotão é maranhense e bacharela em Jornalismo, com experiência em Jornalismo de Terceiro Setor e em Jornalismo Digital. Fez curso de cinema digital completo, é fotógrafa e se interessa pelas mais diversas áreas, em especial jornalismo cultural, social e ambiental.

Quer ser acompanhado por um jornalista renomado e contar com o apoio da equipe do BRIO para vender uma pauta? Conheça a mentoria do BRIO.

Ricardo Ballarine
Ricardo é entusiasta de um jornalismo inovador e que explora todas as possibilidades narrativas. Dedicou parte da carreira a treinar e capacitar jornalistas. Paulista de origem, hoje vive em Belo Horizonte (MG). Não só tem fé no jornalismo como acredita que ainda há um caminho imenso a ser explorado. Fale com ele no [email protected]